Um pouco da história dos amortecedores, funções e recomendações de revisão

Hoje em dia, é impensável um carro sem conforto. O homem contemporâneo está acostumado a veículos estáveis nas estradas. Desta forma, é muito difícil pensarmos na realidade das charretes há alguns séculos atrás. E não precisamos ir muito distante… Quando surgiram os primeiros automóveis no final do século XIX, não havia a estabilidade e o conforto que sentimos hoje. A peça fundamental que mudou o conceito de automóvel foi o amortecedor.

Um pouco da história dos amortecedores

O precursor dos amortecedores veio a surgir apenas em 1926. Chamado de “eliminador de vibrações”, o equipamento inovador foi trazido pela empresa Monroe. Com sua evolução ao longo das décadas, o amortecedor fez com que os carros passassem a ter mais do que sua função básica, de transportar. Os adjetivos de conforto, estabilidade e segurança começaram a surgir associados ao novo sistema.

Funções principais do amortecedor

Estabilidade e conforto são as principais características que fazem dos amortecedores tão indispensáveis para os veículos atualmente. Soma-se ainda a segurança trazida pelas peças. Pois a estabilidade do veículo melhora a dirigibilidade para o motorista. Isso faz com que fique mais fácil e confortável dirigir. A consequência é que acidentes por instabilidade são mais evitados.

Os amortecedores também evitam maiores desgastes nos pneus. O impacto gerado por terrenos irregulares ou estradas esburacadas é amenizado graças ao amortecedor. Ele não só melhora a forma com que o motorista e os passageiros sintam este impacto. Mas também protege os pneus, evitando seu desgaste prematuro.

O que interfere na vida útil do amortecedor?

Ocorrências, como cair bruscamente em buracos e passar em alta velocidade sobre os quebra-molas, são algumas que desgastam ainda mais os amortecedores. Assim, o cuidado ao dirigir o veículo pode aumentar a vida útil de todo o sistema.

O que podemos inferir desta explicação é que o motorista é, então, diretamente responsável pelo prejuízo ou pela conservação do sistema de amortecimento. Portanto, dirigir bem é garantia de melhor conservação e mais economia na manutenção.

É possível saber se o amortecimento está ruim?

O sistema de amortecimento, tal como outros sistemas no veículo, dá sinais claros de problemas. Com um pouco de sensibilidade e atenção, é possível notar danos logo no início e fazer rapidamente a manutenção. Desta forma, evita-se que o sistema prejudique outros componentes do carro. Vamos conhecer alguns desses sinais.

Ao notar vibrações e ruídos incomuns na suspensão, o motorista deve se atentar e verificar se os amortecedores estão danificados. Igual cuidado deve ter quando sente balanços fortes após freios ou arrancadas. Danos no amortecimento geram ainda perda do controle da direção e vazamento de óleo, entre outros problemas também observados.

Quando revisar?

O ideal é que, após os primeiros 40.000 km rodados do veículo, o motorista comece a fazer a revisão. A partir disso, não só amortecedores devem ser verificados, mas todo o conjunto de suspensão a cada 10 mil km.

Apesar de ser uma recomendação geral, não podemos esquecer de que há exceções a essa revisão por quilometragem. Ou seja, nos casos acima mencionados, em que o motorista nota sinais de problema no amortecimento, deve-se fazer imediatamente a revisão. Portanto, veja que o objetivo da urgência é evitar maior desgaste ou outros problemas relacionados ao dano dos amortecedores.